Resenha – Os 27 Crushes de Molly

por Wemerson Roberto

Sinopse:

Molly já viveu muitas paixões, mas só dentro de sua cabeça. E foi assim que, aos dezessete anos, a menina acumulou vinte e seis crushes. Embora sua irmã gêmea, Cassie, viva dizendo que ela precisa ser mais corajosa, Molly não consegue suportar a possibilidade de levar um fora. Então age com muito cuidado. Como ela diz, garotas gordas sempre têm que ser cautelosas.

Tudo muda quando Cassie começa a namorar Mina, e Molly pela primeira vez tem que lidar com uma solidão implacável e sentimentos muito conflitantes. Por sorte, um dos melhores amigos de Mina é um garoto hipster, fofo e lindo, o vigésimo sétimo crush perfeito e talvez até um futuro namorado. Se Molly finalmente se arriscar e se envolver com ele, pode dar seu primeiro beijo e ainda se reaproximar da irmã.

Só tem um problema, que atende pelo nome de Reid Wertheim, o garoto com quem Molly trabalha. Ele é meio esquisito. Ele gosta de Tolkien. Ele vai a feiras medievais. Ele usa tênis brancos ridículos. Molly jamais, em hipótese alguma, se apaixonaria por ele. Certo?

Em Os 27 crushes de Molly, a perspicácia, a delicadeza e o senso de humor de Becky Albertalli nos conquistam mais uma vez, em uma história sobre amizade, amadurecimento e, claro, aquele friozinho na barriga que só um crush pode provocar.

Título: Os 27 Crushes de Molly
Título original: Upside Of Unrequited

Autor: Becky Albertalli
Ano: 2017
Páginas: 320
Editora: Intrínseca

Nota: 4/5

Resenha:

Se você está à procura de um livro com uma história romântica, leve e engraçada, apresento: Os 27 Crushes de Molly da Becky Albertalli, publicado aqui no Brasil pela editora Intrínseca.

Molly tem uma irmã gêmea chamada Cassie, um trabalho de verão e 26 crushes que nem sequer sonham com essa situação. Cassie não tem esse problema – ela é a gêmea confiante e está apaixonada por Mina, mas Molly, não está tão feliz em relação a isso, pois se sente cada vez mais como se estivesse sendo deixada para trás.

Felizmente, Mina tem um melhor amigo sonhador chamado Will, que ligeiramente se torna o número 27 da lista dos crushes de Molly. Mas é difícil se comprometer com a paixão quando Molly está passando tanto tempo com Reid, seu colega de trabalho. Ele definitivamente não é legal o suficiente para que ela se apaixone por ele. Especialmente não quando passar o tempo com ele apenas a afasta cada vez mais da Cassie.

A força de Os 27 Crushes de Molly é definitivamente o elenco de personagens. É muito legal ver que está se tornando mais comum encontrar uma ficção contemporânea de jovens adultos (YA) que apresentam famílias inter-raciais e LGBTQ. Em particular, as mães de Molly e Cassie, que se sentem confortavelmente e vividamente realizadas com sua história de amor e a reunião de sua família é o verdadeiro coração do livro.

É impossível não criar raiz para Reid quando Molly supera sua própria estranheza o suficiente para ver suas armadilhas nerd. Ele é o tipo raro de pessoas que realmente não se importam com o que outras pessoas pensam o que é uma revelação para Molly, que se preocupa demais com a opinião das pessoas. Eu acho que a própria Molly falará com muitas adolescentes (e pessoas que costumavam ser adolescentes) com sua série de ansiedades, seu anseio de amor e o florescimento de sua autoconfiança. Sua voz me fez lembrar desse sentimento de anseio tão profundamente por amor e, então, muito incerta, uma vez que surgiu.

As inseguranças de Molly também se sentirão muito familiares para muitos. Ela tem um hábito intenso de autodepreciação, frequentemente se referindo a si mesma como gordura de uma maneira muito negativa. Para mim, seu senso de auto-aversão e vergonha eram muito realistas para a experiência da adolescência. O mais doloroso é o momento em que sua avó repreende sua aparência sob o pretexto de estar preocupada com a saúde dela. Se houver um espinho ardente no feliz jardim de verão deste livro, é a imagem corporal negativa de Molly e a dor que ela experimenta por causa disso.

Muitos desses temas são intemporais, mas eu tenho medo de que Os 27 Crushes de Molly seja rapidamente datado por suas abundantes referências culturais pop. É sempre uma linha complicada para o pé em trabalhos com configurações contemporâneas – não é suficiente e as vozes adolescentes não parecem autênticas, parecem muito fora de contato em pouco tempo. Esse pode ser o destino final de Os 27 Crushes de Molly.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *